Estudo mostra que 44% preveem que o combate à corrupção vai piorar e 52% acreditam que o desemprego vai aumentar

Rede Brasil Atual, 15 de Junho de 2016 às 10:36

Equipe de ministros de Temer é considerada negativa por 36% dos entrevistados; 32%, regular, e 11%, positiva / Lula Marques/Agência PT



Segundo pesquisa CUT-Vox Populi divulgada nesta terça-feira (14), um mês após a presidenta Dilma Rousseff ser afastada pelo Senado, 67% dos brasileiros avaliam o governo interino de Michel Temer negativamente. Todas as avaliações relativas aos trabalhadores e direitos sociais pioraram em relação à última pesquisa, realizada em 27 e 28 de abril, antes do afastamento de Dilma.

De acordo com a pesquisa, 44% preveem que o combate à corrupção vai piorar, 26% esperam que melhore e 25% acham que não vai mudar. A equipe de ministros de Temer é considerada negativa por 36% dos entrevistados, contra 32% que acham regular e 11%, positiva.

O estudo mostra pessimismo da população em relação aos direitos trabalhistas, ameaçados pelo governo provisório. De acordo com o levantamento, 52% acreditam que o desemprego vai aumentar, 55% creem que os direitos trabalhistas vão diminuir e 77% esperam que grande parte dos brasileiros vai ser prejudicada com medidas como idade mínima para aposentadoria.

Os que acham que o desemprego vai diminuir são 21%, assim como os que acreditam que vai continuar igual. Na pesquisa anterior, 29% achavam que o desemprego iria aumentar, ante 26% dos que esperavam diminuição e 36% que não apostavam em mudança.

As expectativas negativas sobre os programas sociais, em relação à pesquisa de abril, subiram de 34% para 56%. Os entrevistados que esperam melhoras oscilou de 19% para 18%, enquanto dos que não esperam que haja mudanças caiu de 36% para 19%.

Quanto ao desempenho de Temer, para 34% dos entrevistados, ele é negativo, enquanto 33% o julgam regular, 11%, positivo e 21% não souberam ou não quiseram responder. No Nordeste, a avaliação do presidente interino é a pior do país: 49% consideram seu desempenho negativo, contra 41% regular e 10% positivo.

O Sudeste vem a seguir, com 45% de avaliação negativa, 42% regular e 13% positiva. No Centro-Oeste, 39% entendem que o desempenho é negativo, 43% regular e 18% positivo. No Sul, o desempenho é o melhor: 31% negativo, 45% regular e 24% positivo.

Segundo a pesquisa, o número de pessoas no país que não acreditam que o impeachment de Dilma Rousseff seja solução para os problemas econômicos do Brasil subiu de 66% para 69%. De acordo com 26%, o impeachment é considerado a solução, contra 28% na pesquisa anterior.

A pesquisa revela que mais de dois terços da população aprova a antecipação da eleição para presidente da República: são 67% dos entrevistados para os quais deveria haver nova eleição em 2016, enquanto 29% desaprovam e 4% não sabem ou não quiseram responder.

A pesquisa CUT-Vox Populi foi realizada entre os dias 7 e 9 de junho com 2 mil pessoas (em 116 municípios) com mais de 16 anos, residentes em todos os estados do país, exceto Roraima, e no Distrito Federal, em áreas urbanas e rurais.

Veja os detalhes da pesquisa:







Brasil de Fato
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;