(FOTO: IZABELA BARRERO)

Se você, por impaciência, já desativou o corretor ortográfico do WhatsApp, está na hora de reconsiderar a adoção do revisor robótico. Machado de Assis, o mais célebre autor da literatura brasileira, teria sido salvo pela ferramenta caso ela existisse por aqui. No prefácio de sua obra Poesias Completas, publicada em 1902, a palavra "cegara" foi substituída, na expressão “lhe cegara o juízo”, por um inusitado “cagara”.

O erro é ainda mais grave do que aparenta.Poesias Completas era, como indica o nome, uma coletânea dos quatro livros de poemas lançados anteriormente pelo autor: Crisálidas, Falenas,Americanas e Ocidentais. O primeiro desses livros, lançado muito antes do autor alcançar a fama, vinha com um prefácio escrito por um advogado e amigo do escritor chamado Caetano Filgueiras, que costumava organizar saraus em sua casa e conhecera Machado ainda jovem.

o escritor, porém, não era fã de sua própria obra poética. O prefácio original do amigo, que elogiava seus versos, foi omitido por opção do autor, que justificou a troca afirmando; “A afeição do defunto amigo a tal extremo lhe cegara o juízo que não viria a ponto reproduzir aqui aquela saudação inicial”. Machado demonstrou humildade ao atribuir os elogios à amizade de Filgueiras, àquela altura já morto, mas não deu sorte na gráfica.

Seu editor, na época, era Baptiste-Louis Garnier, francês radicado no Brasil e proprietário de uma das mais importante editoras nacionais do período, a Garnier Frères, ou Irmãos Garnier. Os livros de Garnier, entre eles os de Machado, eram compostos e impressos na França.

“Foi natural a troca de uma letra por um tipógrafo francês na composição de um texto em português”, explica o jornalista e escritor Marcos Barrero, dono do exemplar do livro fotografado para esta matéria."Cegara" se tornou "cagara", e a solução foi corrigir, a mão, livro por livro. “Um funcionário da Garnier, chamado Everardo Lemos, sugeriu que raspassem a letra ‘a’ e escrevessem por cima, em nanquim, a letra ‘e’.”

Entre os bibliófilos, nome dado a colecionadores de livros raros e preciosos, corre a lenda de que o próprio Machado teria participado do mutirão de correção de livros organizado na livraria naquele dia, e que muitas das letras “e” teriam sido escritas pelo próprio autor já idoso e muito doente.

Alguns exemplares, porém, escaparam, e foram vendidos antes da troca manual. O segundo lote chegou ao Brasil já retificado, originando três versões distintas: a original, uma com a correção manual e outra com a correção tipográfica. Todos são muito raros. “Tanto os livros que saíram com o erro quanto o lote que trouxe a correção são disputadas a peso de ouro por bibliófilos, estudiosos e antiquários”, explica Barrero. “Ele vale entre 1000 e 2000 reais”. A história foi publicada por Barrero no Caderno 2 do jornal O Estado de S. Paulo em 24 de setembro de 1988, sob o título “As faces malditas do autor de Dom Casmurro”.


Galileu
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;