Foto: Jane de Araújo/ Agência Senado


Por Andreas Behn – TAZ (Alemanha), 24 de maio de 2016 / Tradução: Sara Vivacqua, ativista do Conexões em Luta

Plano de Golpe de Estado para escutar

Uma gravação de áudio evidencia que a deposição de Rousseff foi planejada para por fim às investigações por corrupção. Ajudaram na derrubada os militares e o judiciário?
Governo-Temer-Gravacoes-vazadas-de-ministro-do-Planejamento-sugerem-pacto-para-deter-Lava-Jato
“Já não planeja mais”
RIO DE JANEIRO. Para deter as investigações por corrupção é necessário um “pacto nacional”. “Com o Supremo, com tudo, (…) botar o Michel (no governo), (…) aí parava tudo”. Romero Jucá fala sem inibições e com todas as letras, ele não suspeitara que seus oponentes interceptavam tudo. Então, uma vez mais ele vai ao ponto: “Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”, diz Jucá em defesa dos muitos políticos suspeitos de corrupção no Brasil.
A conversa do Ex-diretor da Petrobras, Sérgio Machado, ocorreu em março, dois meses antes da Presidente Dilma Rousseff ter sido provisoriamente suspensa do cargo em um controverso processo de impeachment. Agora Michel Temer é presidente interino, e nomeou seu correligionário (ou colega de partido) e homem de confiança próximo, Jucá, para Ministro do Planejamento. Após a publicação da gravação de áudio pelo jornal Folha de São Paulo, Jucá, em um primeiro momento, declara que com “sangria” ele se referia a grave crise económica. Horas mais tarde colocou seu cargo a disposição.
Muito do que os opositores do impeachment sempre afirmaram, fica agora preto no branco: Ela não foi deposta por má conduta ou por corrupção, mas pelo contrário – para terminar com as investigações por corrupção, que ameaçam toda a classe política, e sobretudo agora o novo Governo. Jucá e Machado estão ambos implicados até o pescoço no escândalo de corrupção na petroleira paraestatal Petrobras.
Jucá predizia naquele momento, que o impeachment de Rousseff levara ao “fim da pressão da imprensa e de outros setores pela continuidade das investigações da Lava Jato. ” O ex-senador informa com todas as letras até mesmo sobre encontros com Ministros individualmente, e explica: “tem poucos caras [no STF]” a quem ele não tem acesso. Ele tinha conversado inclusive com Generais. “Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. ” Então Jucá afirma que os militares estariam monitorando o MST, mas que não sabia o porquê.
Nesse ponto até teóricos da conspiração ficam desconfiados. Seria realmente verdade que Militares e parte do Supremo Tribunal Federal ajudaram a enxotar uma presidente impopular do cargo? Vários membros do Supremo reagiram prontamente e declararam categoricamente que a afirmação de Jucá era inteiramente inventada.

Finalmente Provas

O Partido dos Trabalhadores, até a pouco, partido governista, viu-se obrigado a falar de um “golpe de estado”. Afonso Florence, Líder do PT na Câmara, avaliou a gravação como não sendo surpreendente, mas que finalmente tem-se uma confissão: “[…] Ali tem crimes como obstrução da Justiça, ataque à democracia (…) ”. Finalmente ficou provado que eles (os opositores do PT) lideraram o ataque a Petrobras. A máscara do governo golpista de Temer caiu, explica Florence.
A oposição exige a cassação imediata de Jucá e investigações criminais. Tanto ele quanto Temer pertencem ao PMDB, que em março abandonou o governo de Rousseff. Em apenas duas semanas no cargo a pressão sobre o interinato de Temer incrementa. Já no domingo ele faz o primeiro grande recuo e desfaz a veementemente criticada extinção do Ministério de Cultura. Seu gabinete foi desde o início criticado e ridicularizado; nenhuma única mulher e nenhum único negro entre os 23 ministros. Mas em contrapartida sete senhores, contra os quais a Suprema Corte (STF) investiga no escândalo da Petrobras.
A saída de Jucá enfraquece a equipe econômica de Temer, agora no processo de impor ao Brasil um estrito programa de austeridade. De acordo com pesquisas, Temer é tão impopular quanto Rousseff, responsabilizada pela grave crise econômica. Diariamente irrompem-se protestos em diversas cidades contra o discutível governo interino, no domingo a polícia reprimiu através do uso da forca uma manifestação em frente à residência de Temer em São Paulo. Na segunda feira, à noite, após a publicação dos áudios de Jucá ocorreram novas manifestações espontâneas.
Desde já é possível prever que o caso Jucá não será o último problema do governo de Temer. O ex líder da oposição e atual parceiro de coligação, Aécio Neves, do conservador PSDB – que perdeu por uma margem estreita o segundo turno das eleições para Rousseff em 2014 – vem sendo associado sempre com o escândalo [Lava-jato]. Jucá o chama a luz da investigação simplesmente como um “caso perdido”. E segundo publicações na imprensa, Machado gravou o interlocutor Jucá não apenas nesta conversa, mas também em diálogo com o Presidente do Senado Renan Calheiros, outro cacique do PMDB, que também já se encontra sob investigação.
Acesse o link da matéria original clicando Aqui.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;