Kelly gosta de aparecer



Como se já não bastassem as personagens detestáveis que orbitam em torno do governo Temer, eis que nos últimos dias os brasileiros foram apresentados a uma extremista de direita que utiliza o nome artístico de Kelly Bolsonaro.

Kelly foi vinculada a uma ação de vandalismo na Universidade de Brasília, a UnB. Um grupo de baderneiros fascistas invadiu a UnB e ameaçou os estudantes. Eles gritavam coisas do habitual repertório da extrema direita: contra cotas, contra gays, contra esquerdistas etc etc.

Kelly aparentemente foi a organizadora. Em sua página no Facebook, ela propôs, no meio da semana, uma “treta das melhoressss” na UnB. A Mídia Ninja publicou um vídeo da agressão, que está circulando intensamente nas redes sociais.

Pelo sobrenome que adotou, você pode imaginar quem seja o ídolo de Kelly. Ele mesmo. O segundo da lista é Moro.

Kelly parece gostar de aparecer. Ela já invadira um campo de futebol com um cartaz em que pedia o impeachment de Dilma.

É uma clássica midiota. Mas pode estar prestes a escalar degraus em seu radicalismo, como sugere a “treta” na UnB.

Ela é um perigo potencial. Há que vigiá-la e, se for o caso, puni-la.

As coisas já estão suficientemente tumultuadas no Brasil para que tipos como Kelly Bolsonaro joguem gasolina no fogo.

DCM
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: