FACEBOOKImage captionAntonio Perkins foi baleado na cabeça e pescoço enquanto transmitia vídeo ao vivo pelo Facebook
Um homem em Chicago, nos Estados Unidos, foi morto a tiros no momento em que fazia uma transmissão ao vivo pelo Facebook, segundo informações da polícia local.

Segundo as autoridades, Antonio Perkins, de 28 anos, recebeu os disparos na cabeça e pescoço enquanto se filmava usando a ferramenta de live-streaming da rede social.

O vídeo continua disponível no Facebook e já foi visto mais de 700 mil vezes.

Esta foi a segunda vez em menos de três meses que um ataque a tiros em Chicago acaba sendo transmitido ao vivo pelo Facebook. Em março, um outro homem não identificado fazia um live-streaming quando recebeu 16 disparos.

Ninguém foi preso em nenhum dos casos.

Chicago tem um dos piores índices de crimes relacionados a armas de fogo entre as cidades americanas.

Em 2015, foram registrados cerca de 500 homicídios na cidade em 2015 e, segundo a polícia, o número pode aumentar em 2016.

AdvertênciaImage copyrightAPImage captionFacebook Live permite que usuários transmitam vídeo ao vivo na sua linha do tempo

O vídeo de Perkins mostra o americano e um grupo de pessoas falando para a câmera do celular. Até que são ouvidos os disparos.

O telefone parece cair na grama em meio ao sangue e a imagem se escurece.

É possível ouvir pessoas gritando e chorando em volta.

O vídeo ainda está disponível com uma mensagem de advertência devido à violência das imagens.

Uma porta-voz do Facebook explicou que o vídeo não desrespeita as políticas da companhia, que só remove conteúdos que celebram ou glorificam a violência.

Tempo real

A função live-streaming do Facebook permite que qualquer usuário da rede social transmita vídeos em tempo real.Image copyrightAFPImage captionNo começo do mês o assassino de um polícial e sua esposa na França usou o Facebook Live

O live-streaming, ou Facebook Live, foi lançado em 2010, mas nos últimos meses se transformou em um componente cada vez mais importante da estratégia do Facebook.

Mas este e outros eventos, como a recente transmissão ao vivo de um suicídio através do Periscope, na França, estão começando a gerar um debate sobre a melhor forma de regulamentar e proteger jovens usuários das redes sociais.

O Periscope é um aplicativo comprado pelo Twitter em 2015, bastante utilizado por adolescentes e com estimados 10 milhões de usuários.

Esse aplicativo já foi usado antes para mostrar conteúdos inadequados, incluindo crimes e violência.

Em maio, uma francesa de 19 anos, chamada Océane, usou o Periscope para transmitir o momento em que se atirou em frente a um trem, depois de acusar o ex-namorado de tê-la estuprado e divulgado a agressão no aplicativo Snapchat.

O Facebook Live, por sua vez, foi usado há alguns dias pelo assassino de um policial francês e sua esposa nos arredores de Paris.

Depois do crime, Larossi Abballa transmitiu um vídeo no qual pediu que seus seguidores matassem mais policiais, funcionários de prisões, parlamentares e jornalistas.

BBC Brasil



Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;